A MULHER E O MAR…

(obs: não, não é Hemingway… é Clarice Lispector!)

‎”Continuou a olhar, olhar, olhar, vendo. Era um corpo a corpo consigo mesma dessa vez. (…) sua existência havia se tornado infatigável. Ia perder ou ganhar? (…) Alguma coisa se desencadeara nela, enfim. E aí estava ele, o mar. (…)

Vai entrando. A água salgadíssima é de um frio que lhe arrepia e agride em ritual as pernas. (…) O caminho lento aumenta sua coragem secreta – e de repente ela se deixa cobrir pela primeira onda! O sal, o iodo, tudo líquido deixam-na por uns instantes cega, toda escorrendo – espantada de pé, fertilizada. (…)

Já não precisa de coragem, agora é antiga no ritual retomado que abandonara há milênios. Abaixa a cabeça dentro do brilho do mar, e retira uma cabeleira que sai escorrendo toda sobre os olhos salgados que ardem. Brinca com a mão na água, pausada, os cabelos ao sol quase imediatamente já estão se endurecendo.

E era isso o que estava lhe faltando: o mar por dentro como o líquido espesso de um homem.”

CLARICE LISPECTOR / Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: